15 de abril de 2022

União Brasil anuncia Bivar como pré-candidato e enterra aventura presidencial de Moro

 

O União Brasil anunciou nesta quinta-feira (14) o nome de seu presidente, o deputado federal Luciano Bivar, como pré-candidato à presidência da República. A escolha do partido marca o fim do sonho do ex-ministro Sergio Moro de se candidatar ao Planalto em 2022.

Em nota oficial, o União Brasil afirmou que a escolha aconteceu por unanimidade. O partido diz ainda que vai buscar reuniões com outros partidos para tentar uma candidatura única com um “nome de consenso”. Bivar, portanto, poderá não ser candidato. Ele não participará das conversas com outros partidos, que serão comandadas por outros caciques da legenda, incluindo o ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre.

Quem é Bivar?

Pernambucano do Recife, Luciano Bivar é empresário do ramo de seguros. Na última declaração à justiça eleitoral, seu patrimônio era próximo de R$ 18 milhões. Além da política partidária, atuou também no futebol, tendo sido presidente do Sport, um dos clubes mais tradicionais de Pernambuco e do futebol brasileiro, por seis mandatos.

Foi deputado federal entre 1999 e 2003; assumiu nova cadeira na Câmara entre 2017 e 2018 (depois de ter iniciado a legislatura como suplente); e está em novo mandato desde 2019. Em 2018, na esteira do bolsonarismo, foi o sétimo deputado federal mais votado entre os pernambucanos, com 117.943 votos.

Se confirmada, essa não será a primeira candidatura presidencial de Bivar, que se lançou em 2006 pelo Partido Social Liberal (PSL) e ficou em sétimo lugar, sendo escolhido por 62.064 eleitores – ou 0,065% dos votos válidos na ocasião.

O PSL, aliás, foi fundado pelo empresário, em 1994, mas só conseguiu registro definitivo em 1998. Bivar sempre foi o presidente do partido, exceto por um curto período durante a campanha eleitoral em 2018, quando passou o bastão a Gustavo Bebianno. Em 2022 a legenda se fundiu oficialmente com o Democratas e deu origem ao União Brasil.

Bivar foi quem abriu as portas do PSL a Jair Bolsonaro, que se elegeu presidente em 2018 pelo partido. No ano seguinte, após muitas trocas de acusações, os dois romperam e Bolsonaro deixou a legenda.

Moro se diz “soldado da democracia”

Menos de duas semanas depois de dizer que não desistiria da candidatura à presidência, o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro fica sem chances de concorrer em 2022. Filiado ao União Brasil, ele terá de se contentar com uma candidatura a deputado ou senador. No Twitter ele comentou a decisão do partido se apresentando como “um soldado da democracia”.

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Estamos aguardando seu comentário