15 de maio de 2021

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) volta atrás e admite que ofícios do "orçamento paralelo" não estão públicos

 
Rogério Marinho e Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

247 - O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) admitiu que os ofícios usados por parlamentares para destinar verbas do "orçamento paralelo" não estão abertos ao público, contrariando o discurso do ministro Rogério Marinho, que disse que "não há nada de secreto" sobre sua relação com o escândalo.

"O MDR destaca que, por se tratar de um instrumento novo, não foi instituída a obrigatoriedade de os ofícios de parlamentares com o direcionamento de recursos estarem disponíveis na plataforma", afirmou a pasta ao Estadão.

Nos mais de 100 ofícios obtidos pelo jornal paulista, deputados e senadores determinam a destinação de recursos das emendas de relator para compra de máquinas agrícolas superfaturadas. Os políticos se referem aos valores como "minha cota" e definem o preço do que vai ser comprado. 

Os ofícios são a única fonte de informação pública sobre o escândalo, uma vez que na plataforma +Brasil, criada pelo governo federal para divulgar dados sobre convênios, a única informação disponível é o dado de que a destinação destes recursos se trata de "emenda de relator", sem mais detalhes. 

Senadores também alegaram que não poderiam divulgar as informações pelo "risco à segurança do Estado" e até mesmo à "segurança da família".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Estamos aguardando seu comentário