23 de março de 2021

Presidente do STJ defende que mensagens obtidas por Delgatti sejam usadas como prova de crimes contra procuradores da Lava Jato

 

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins, afirmou à ministra do Supremo Tribunal Federal Rosa Weber que, mesmo que sejam provas ilícitas, as mensagens de procuradores que atuaram na finada "lava jato" podem ser usadas com base no "dever institucional de autodefesa" do Judiciário.O inquérito foi aberto por Humberto Martins depois de expostas conversas no Telegram entre integrantes do Ministério Público Federal no Paraná. O diálogo mostra Deltan Dallagnol, então coordenador da autodenominada força-tarefa, combinando com um fiscal da Receita Federal a quebra de sigilo de integrantes do STJ. 

O procurador Diogo Castor de Mattos, que atuou na "lava jato" em Curitiba, impetrou Habeas Corpus no Supremo Tribunal Federal pedindo o trancamento do inquérito. A Procuradoria-Geral da República também pediu a suspensão do procedimento.

Veja a matéria completa no 247

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Estamos aguardando seu comentário